Perfeito Advogado

1 João 2.1, 2

 1 Meus filhinhos, escrevo-lhes estas coisas para que vocês não pequem. Se, porém, alguém pecar, temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo. 2 Ele é a propiciação pelos nossos pecados, e não somente pelos nossos, mas também pelos pecados de todo o mundo.

Comentário:

Quando nos expomos à luz de Deus, vemos a sujeira de nosso pecado e reconhecemos nossa culpa. Entendemos que estamos no banco dos réus! É nesse contexto que o apóstolo João, já idoso, nos trata de maneira amorosa, como um pai trata os filhos.

Qual é a primeira orientação que ele dá (v. 1a)? Demonstrar amor não quer dizer amenizar ou liberar o pecado, mas expor a graça que superabunda sobre ele (v. 1b). Quando é usada a palavra “intercessor”, a ideia é a de um advogado, que diante de um tribunal, se pronuncia favorável ao réu. Jesus, nosso intercessor, está junto ao Pai (o supremo juiz) e é totalmente justo, impecável (v. 1c).

O comentarista Russel N. Champlin escreve: “Fica assim assinalado o ofício de Cristo como representante da humanidade na corte celestial, onde o caso do crente é defendido com base em sua identificação com Cristo”. Releia a afirmação do versículo 2. Ela quer dizer que Jesus é o sacrifício que desvia a ira de Deus, tirando os nossos pecados. Por amor, Deus enviou Seu Filho para morrer em nosso lugar e pagar o preço, por todo aquele que O recebe pela fé (Jo 1.12; 3.36).

No dia de hoje, que tal orar agradecendo a Deus por lhe dar o perfeito advogado para auxiliá-lo e defendê-lo? Se você conhece algum(a) advogado(a) que ainda não conhece a Jesus, que tal indicar 1João 2.2 para ele(a) ler?


Devocionais nas cartas de João – Textos na versão NVI (Nova Versão Internacional)
DANIEL SIMÕES – extraído do Diário de Hora Silenciosa da organização Palavra da Vida, usado com permissão